Summary: O maracujazeiro é uma planta da família Passifloraceae, de clima tropical e subtropical com ampla distribuição geográfica. A cultura do maracujá está em franca expansão tanto para a produção de frutas para consumo in natura como para a produção de suco, polpas congeladas, geleias e doces. O Brasil é o primeiro produtor mundial de maracujá, podendo ser cultivado em quase todos os estados brasileiros. A produção é de suma importância pela economia, emprego intensivo de mão-de-obra, geração de renda com entrada de fluxo de caixa em intervalos curtos, por meio da colheita continuada da safra ao longo do ano. O Espírito Santo é o quarto estado com maior produção de maracujá. A cadeia deste agronegócio tem se apresentado como um importante instrumento de promoção do desenvolvimento regional, em busca da sustentabilidade da produção agrícola, com geração de emprego e renda. Embora seja uma cultura de alto risco, devido à grande suscetibilidade a doenças, tem sido uma atividade bastante atrativa, pelo alto valor agregado da produção. Na busca por cultivares mais resistentes, pesquisas são desenvolvidas para criar híbridos mais produtivos e com maior qualidade. A polpa do fruto é formada por sementes pretas, cobertas de uma substância amarela e translúcida, ligeiramente ácida e de aroma acentuado, sendo destinada a produção de sucos prontos, doces e polpas. Entretanto a casca do maracujá é um subproduto da indústria de alimentos, é composta pelo flavedo e é rica em fibras insolúveis e o albedo, que é rico em fibra solúvel. Muitos estudos vêm sendo desenvolvidos por este subproduto apresentar características de interesse tecnológico e biológico. Tendo em vista essas considerações, o presente estudo tem como proposta avaliar frutos do maracujazeiro provenientes de três novas cultivares, comparando suas características com o maracujá proveniente de uma cultivar comercial (FB 200). Serão utilizados frutos destas quatro cultivares, produzidos na área experimental, localizada no município de Alegre-Es, pertencente a Universidade Federal do Espírito Santo. Os frutos maduros serão colhidos, transportados até os laboratórios da UFES, onde serão higienizados, e submetidos a caracterização físico-química da polpa e da casca. E o néctar, preparado a partir da polpa de cada cultivar de maracujá, será submetido a avaliação sensorial em condições laboratoriais, no campus da UFES em Alegre. Com base nas características físico-químicas e sensorial, espera-se identificar qual dos novos cultivares apresentam potencial para exploração comercial.

Starting date: 2018-08-01
Deadline (months): 24

Participants:

Rolesort descending Name
Collaborator * ANTONIO MANOEL MARADINI FILHO
Coordinator * JOEL CAMILO SOUZA CARNEIRO
Student Master * Carolina Lepre Francisco
Vice coordinator * MOISES ZUCOLOTO
Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Alto Universitário, s/nº - Guararema, Alegre - ES | CEP 29500-000